Atendimento via Whatsapp

Toque para acessar

Cursos e Tratamentos de Apometria

Talisms e Amuletos na Viso Esprita

Talisms e Amuletos na Viso Espiritualista

Em sua época, Kardec era reconhecido pelos seus contemporâneos como autoridade em relação aos temas sobre as novas descobertas entre a relação dos mundos visível e invisível. Tanto assim que, frequentemente, buscavam-no a fim de receber sua opinião relacionada aos inúmeros fenômenos além-matéria. Foi assim quanto ao poder de objetos, talismãs e adereços. Teriam eles, poder de descortinar o passado de alguém ou prever o futuro, ou atrair os Espíritos? Há, nesses objetos, algo que possa denominá-los, na forma vulgar, como objetos mágicos?

Dentre as vezes que Kardec abordou o tema medalhas, símbolos e demais, um texto na Revista Espírita, 11/1858, com o título Os talismãs medalha cabalística trata sobre tal assunto, conforme resumo.

Uma senhora, médium sonâmbula, havia informado que determinada medalha tinha poderes especiais de atrair os Espíritos. Pediram a opinião de Kardec a respeito. Logo de início, já explica que os Espíritos são atraídos pelo pensamento e não pelo objeto em si. Espíritos que se apegam a esses objetos são inferiores, mesmo que estejam agindo de forma honesta. É que conservam, mais ou menos, as manias e ideias que tinham enquanto encarnados. Portanto, nada fora do esquadro que repitam este modelo mental no mundo dos Espíritos. Por outro lado, há também os Espíritos zombeteiros que gostam de divertirem-se à custa da ingenuidade alheia. O foco, portanto, é o pensamento e é esse que acaba por atrair os Espíritos.

Imagine que você deposita uma fé inabalável de que um copo qualquer pode atrair um bom Espírito. E todos os dias você reserva um tempo para olhar no interior deste copo a fim de atrair os bons Espíritos para um contato. Você ora com fervor e sinceridade e os Espíritos comparecem, serenam teu coração, sugerem-te bons conselhos, ajudam-te a responder as mais intrincadas questões íntimas e por aí vai. Você pode achar que o poder está no copo. Contudo, a realidade é que a força está relacionada ao teu pensamento e sentimentos para que tragam os bons Espíritos em teu benefício. O copo é apenas um amuleto e, caso seja descartado, nenhuma alteração haverá se você prosseguir na busca dos bons Espíritos com sinceridade e fervor.

A ideia de Kardec é tornar o contato com os Espíritos mais espiritual do que material. Se antes havia uma suposta necessidade do material para interagir com o espiritual, Kardec a retira e mostra que isto é desnecessário. O contato com os Espíritos é feito de coração para coração, de mente a mente. Não é a matéria, o objeto que atrai os Espíritos, mas o pensamento, o coração conectado e a vontade do indivíduo.

Há uma observação a ser feita. Os objetos podem ser magnetizados e, com isso, adquirirem algumas propriedades especiais, mas de forma passageira. Imagine alguém dotado de grande poder magnético, daqueles em que o olhar é penetrante e traz força indescritível. Este indivíduo direciona seu olhar a uma medalha, seu pensamento naquele objeto é firme e forte no intuito de magnetizá-lo. Pois bem, é possível sim que alguém ao tocar este objeto, agora já impregnado com o fluido a ele direcionado, sinta sensação diferente, ou mesmo entre em transe por conta da força que contém, momentaneamente, o material.

Perceba, todavia, que o poder não está no objeto em si, mas na força do pensamento que a ele foi direcionada. Kardec, como trabalhava com evocação, na Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas, evocou São Luís e pediu que este manifestasse sua opinião relacionada ao assunto.
O benfeitor considerou o tema já amplamente debatido e questão encerrada, pois após algumas diretrizes, bem semelhantes ao pensamento de Kardec, sugeriu que ele Kardec se ocupasse de coisas mais sérias.

O tema em questão pode desdobrar-se e dar origem aos mais diversos questionamentos como, se há objetos com mais ou menos condições de absorver os fluidos magnéticos e ficarem mais ou menos tempo impregnados com estes.

Há muita coisa interessante a pesquisar. Que tal?

Wellington Balbo

Fale Conosco

Compartilhe nas redes sociais